nidio-silva
Nídio Silva Opinião

Opinião de Nídio Silva. “Os Nós da Rede”

Que o Facebook e quejandos se tornaram nos novos pasquins que diariamente invadem a nossa vida, já todos nos percebemos claramente. Uns, escondidos pelo manto negro do anonimato ou covardemente barricados por detrás de um teclado qualquer, são os novos amigos da onça que têm nas amizades que de mansinho angariam os destinatários dos seus ódios pessoais. Atacam tudo e todos, sublimando frustrações de uma vida cheia de interrogações e podres, dizendo dos outros o que temem se saiba de si.

Outros há, que tudo lhes adita e serve de fonte informativa inequívoca, transformando-se em presa fácil para todos quantos na rede espalham a confusão entre a grei incapaz de filtrar seja o que for, nela e dela se estatelando a todo o comprido a cada momento.

Este encharcamento fedorento que por aí anda, começa a preocupar pelas consequências devastadoras que se anteveem para a (de)formação de uma sociedade que se sente cada vez mais fragilizada e, consequentemente, vulnerável às mais perversas e perigosas manipulações.

A Google e o Facebook estão, porventura, no topo dessas preocupações com os verdadeiros nós que na rede se vão dando cada dia mais apertados e que urge desatar antes que a coisa entardeça de vez.

Ao que se vai sabendo, talvez não esteja já muito distante o dia em que os internautas negros do ciberespaço sejam apanhados na rede de que se serviram para espalhar ódios e maldades sem fim.

Vão ter que sair da toca invisível em que se meteram e darem de novo a cara, olhos nos olhos, exporem-se com as suas fraquezas todas bem à vista, ou, então, erguerem novos biombos que lhes voltem a tapar a porcaria que são.

P.S.: Vila Verde continua a celebrar os nossos combatentes na Primeira Guerra Mundial, evocando este ano os nossos conterrâneos que nela pereceram, num gesto que todos devemos aplaudir e enaltecer sem reservas. Todavia, fica sempre por estas alturas o vazio de se ver repetidamente esquecida a homenagem que também é devida aos que a Guerra Colonial levou ainda muito jovens desta vida ou estropiou para sempre no corpo e na alma, e foram muitos, muitos mais que aqueloutros.

Print Friendly

Comentários

Siga-nos!

RSS
Follow by Email
Facebook
YouTube

Última edição

Já nas bancas!

Publicidade