©  penarota.blogs.sapo.pt
© penarota.blogs.sapo.pt
País

Vieira do Minho: pinheiro-silvestre em perigo de extinção

O pinheiro-silvestre, em perigo de extinção, está entre as inúmeras espécies incluídas nos 35 hectares de floresta marcada para abate entre os concelhos de Vieira do Minho e Montalegre, aparentemente sem conhecimento das autoridades.

“Contactadas todas as instituições da região, como as câmaras de Montalegre e Vieira do Minho, e associações de baldios, ninguém sabe do porquê, de onde partiu a iniciativa. O Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade (ICNB) aparentemente também desconhece e pediu-nos informação mais detalhada”, revela o porta-voz do grupo SOS – Serra da Cabreira, Rui França.

O porta-voz disse à Lusa que tem “documentado” um conjunto de “espécies protegidas” inseridas nas “milhares de árvores marcadas para abate” sem que o ICNB admita o seu conhecimento, apesar de alegadamente ter sido este organismo a dar indicação aos guardas-florestais para a marcação da “ampla zona”.

“Estão marcadas milhares de árvores, inclusivamente espécies em risco ou mesmo em extinção, como o pinheiro-silvestre. As marcadas são resinosas, mas a envolvente toda é um bosque bastante denso. Abarca uma diversidade enorme de espécies”, alertou, denunciando ainda o impacto desta ação junto de espécies animais protegidas como o lobo ibérico, cervo e garrano, que têm aqui o seu habitat.

O responsável do movimento de defesa da Serra da Cabreira conta que o ICNB pediu “informações mais detalhadas sobre o local exato” e que o levantamento já foi feito por GPS e entregue ao organismo, do qual espera “bom senso”.

“Quem faz a marcação são os vigilantes da natureza. Quem tomou a iniciativa do projeto inicial, ainda não sabemos e já questionamos o ICBN há 30 dias. Criamos então o movimento SOS – Serra da Cabreira que o questionou massivamente e tivemos, finalmente, uma resposta do diretor a pedir a localização da zona marcada para abate”, relata Rui França.

O membro do SOS – Serra da Cabreira fala em “aparente desconhecimento” do responsável do ICNB, mas recorda que foi o vigilante, “alegadamente com ordens do ICNB”, quem marcou “uma área gigante de floresta para abate”.

“Parece que toda a gente desconhece, exceto nós que vimos e documentamos o terreno”, lamenta.

Caso o abate se verifique para venda da madeira, o seu fruto será “obrigatoriamente repartido pelo ICNB e a associação de baldios” – a área para abate pertence a Caniçó (Montalegre) e, eventualmente, ainda envolve árvores de Linharelos (Montalegre) e Campos (Vieira do Minho).

“Área de pastagem? Esta zona está a quilómetros em linha reta dos baldios a que pertence. Não acredito que haja gado suficiente para tantos hectares de pasto, sendo que há uma enorme zona a norte para o efeito. A área de prado é gigante e não é necessário deitar enormes áreas abaixo para pastagens. Os únicos que lá pastam são garranos selvagens”, vinca.

O movimento SOS – Serra da Cabreira já reúne cerca de 1.500 membros “com paixão comum pela serra e floresta”, nomeadamente “pessoas escandalizadas” com o que se está a passar.

“Deixo o desafio aos responsáveis para irem ao terreno antes de decidirem administrativamente o abate. Depois de verem a riqueza, diversidade e beleza do local, certamente não é num gabinete que vão tomar essa decisão”, concluiu.

A Lusa tentou contactar o ICNB, tanto a delegação do Norte como o departamento central, sem qualquer resposta.

Print Friendly

Comentários

Siga-nos!

RSS
Follow by Email
Facebook
YouTube

Última edição

Já nas bancas!

Publicidade