moção intervenção eb23 prado amianto-4
Vila Verde

Aprovada por unanimidade moção para remover as placas de fibrocimento da EB 2,3 de Prado

A Junta de Freguesia da Vila de Prado apresentou, no dia 27 de Abril, uma moção que visa a remoção imediata de todas as placas de fibrocimento existentes na BE 2,3 de Prado, bem como em todas as outras escolas do concelho, por representarem “um perigo eminente para a saúde da comunidade escolar”. A proposta foi aprovada por unanimidade na Assembleia Municipal de Vila Verde (AMVV) e será enviada ao Ministério da Educação e entidades de Educação da Região norte DGEST Norte. A autarquia pradense de assinalar o apoio e colaboração prestados pelo professor Jorge Pedrosa, natural da Vila de Prado e docente na instituição educativa há vários anos.

A Junta de Prado frisou que estamos perante um “sério atentado à saúde pública” e que é urgente solucionar este problema. “Proponho a esta assembleia que vote favoravelmente esta moção e que a mesma seja enviada ao Ministério da Educação e entidades de Educação da Região norte DGEST Norte, no sentido de forma célere mandarem resolver o problema seja na Vila de Prado ou noutra qualquer escola do nosso concelho, para que não fiquemos eternamente co-responsaveis com os graves malefícios de tal produto que teimam em não retirar”, sublinhou o presidente da Junta na sua intervenção na AMVV. Paulo Gomes realçou ainda que “todos os contributos serão bem-vindos de forma a acelerar a tão necessária e premente intervenção de remoção”.

“Veneno em potência”

A autarquia pradense lembrou ainda que os malefícios para a saúde (podendo mesmo resultar em cancro) resultantes da libertação de fibras de amianto, em placas de fibrocimento rachadas ou estado de degradação já foram comprovados pela comunidade científica e que as placas de fibrocimento estão já a ser retiradas de várias escolas por todo o país. “Não se brinca com a saúde das pessoas, tanto mais quando estão envolvidas centenas de crianças e adolescentes, acrescendo à população escolar da Vila de Prado as mais de 300 pessoas que integram a EB nº1 (Centro Escolar), que praticamente coabitam com a EB 2,3 e estão também sujeitos aos mesmos malefícios deste veneno em potência”, referiu Paulo Gomes.

A moção apresentada foi apoiada por um registo fotográfico que comprova a existência de inúmeras placas rachadas ou em estado de degradação na EB 2,3 de Prado, bem como de pareceres independentes que atestam a perigosidade para a saúde das fibras de amianto.

 

Print Friendly

Comentários

Siga-nos!

RSS
Follow by Email
Facebook
YouTube

Última edição

Já nas bancas!

Publicidade