Lusa
Lusa
País

BES: Lesados terminam protesto em Braga em frente ao tribunal

Cerca de uma centena de lesados com a compra de papel comercial aos balcões do BES, que hoje se manifestaram em Braga, terminaram o protesto em frente ao Tribunal Fiscal e Administrativo, num “gesto simbólico”.

O grupo de lesados com a compra de papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES) aos balcões do Banco Espírito Santo (BES) percorreu hoje o centro de Braga, manifestando-se em frente a várias instituições bancárias.

Os manifestantes pararam ainda em frente à delegação do Banco de Portugal para exigir a demissão do governador da instituição, afirmando que, segundo as conclusões do inquérito parlamentar, Carlos Costa “teve culpas” no “descalabro” do BES.

Em declarações à agência Lusa, o vice-presidente da Associação dos Indignados e Enganados do Papel Comercial, Alberto Neves, explicou que as manifestações vão continuar até que “todos” sejam restituídos do que lhes foi “roubado”, mas alertou que não devem ser os contribuintes a “arcar” com o prejuízo.

“O que os deputados disseram deu-nos um novo alento. No fundo deram-nos razão. O senhor Carlos Costa tem culpas neste processo e deve sair da instituição”, defendeu.

O grupo reclamou o “reembolso do dinheiro que tinha no banco” e que, garantiu, “nunca foi para comprar papel comercial do BES”, reivindicando ainda que seja “acionada a provisão” que afirma existir.

“Não queremos que sejam os contribuintes a arcar com a responsabilidade, tem de ser o Banco de Portugal, havia uma provisão para isto”, explicou Alberto Neves.

O grupo percorreu o centro da cidade deixando autocolantes nas paredes e nos vidros de estabelecimentos comerciais a exigir que lhes paguem o que dizem ser-lhes devido e parou em frente a várias instituições bancárias.

“A culpa é de todos, no fundo. O que aconteceu ao BES pode acontecer aos outros se ninguém fizer nada”, afirmou António Costa, um dos manifestantes.

A manifestação terminou em frente ao Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga.

“É uma paragem simbólica porque isto agora foi para os tribunais, cabe à justiça prenunciar-se”, referiu o vice-presidente da associação.

Os manifestantes deixaram ainda a garantia de que esta não será a “única nem a última” manifestação.

“Vai haver muitas mais por este país. Nós temos a razão do nosso lado. O povo também está do nosso lado e não nos vamos calar”, assegurou o responsável pela referida associação.

Print Friendly

Comentários

Siga-nos!

RSS
Follow by Email
Facebook
YouTube

Última edição

Já nas bancas!

Publicidade