Foto: www.vilaverdeviva.com
Foto: www.vilaverdeviva.com
Braga Destaque Região Vila Verde

Prado. ARS Norte com 54 casos de salmonelose no norte mas não fala no Cávado

A bandeira verde regressou ao Faial, sem mastro, que havia sido vandalizado. O vereador do ambiente questionou a ARS Norte sobre o número de casos de infeção com a bactéria. ARS Norte fala em 54 casos a nível regional.

A interdição a banhos terminou na passada semana e as salmonellas foram ao ar, mas ficou o prejuízo dos pradenses e a desconfiança do executivo municipal em relação à ARS Norte.

Segundo a delegada de saúde da ARS Norte, as últimas análises deram “ausência” da bactéria, regressando assim a bandeira verde à Vila de Prado, dois meses depois após a interdição.

Pouco após a interdição, António Vilela, edil, tinha vindo a público questionar as análises da ARS Norte, o que motivou uma resposta por parte da entidade de saúde, onde afirmou que os laboratórios eram credenciados para o efeito.

Foram dois meses penosos para comerciantes e banhistas da Vila de Prado, que perderam a conta ao prejuízo que a interdição a banhos motivou.

Patrício Araújo, vereador do Ambiente da Câmara de Vila Verde, e revoltado com a situação, chegou mesmo a tomar banho nas águas interditas, desrespeitando as indicações fornecidas pela delegada de saúde da ARS Norte, indicando na altura que não havia ninguém infetado pelas águas do Faial.

Vereador trocou emails com ARS Norte para saber número de casos de infeção por salmonellas

Em troca de emails a que o V teve acesso, o vereador do Ambiente, Patrício Araújo, questionou mesmo a ARS Norte sobre o número de casos de infeção por salmonellas.

“Tendo em conta a dimensão pública que esta situação tem assumido, provocando muitas dúvidas entre os banhistas e veraneantes utilizadores da referida praia, designadamente quanto às consequências para a saúde de quem está em contacto com a água, vimos solicitar que nos informe acerca dos casos diagnosticados com salmonelose no período compreendido entre a data da realização do primeiro controlo de água e a data de interdição da praia, assim como dessa data até hoje (2 de agosto)”, escreveu na altura Patrício Araújo em email enviado à delegada de saúde Maria Neto.

A resposta veio de Graça Cruz Alves, também delegada de saúde da ARS Norte, indicando que “se encontram registados 54 casos de Salmoneloses no período entre 12 de junho e 4 de agosto de 2017, em residentes na região de saúde do Norte.

A resposta da ARS Norte acabou por ser evasiva em termos de dados concretos para a situação em causa, o que levou o vereador Patrício Araújo a responder com insatisfação, questionando mais concretamente “quantos foram os alegados casos de pessoas afetadas que frequentaram de facto a dita praia”.

“Pretendemos que nos sejam facultados os dados desagregados quer pela área de influência da mesma, quer em separado, nos dois períodos temporais referidos”, referiu o vereador no dia 16 de agosto, pedindo “dados sólidos e investigação rigorosa”.

No entanto, a resposta da ARS Norte acabou por vir através de novos resultados de análises, no dia 24 de agosto, em que voltava a ser detetada presença de salmonellas.

O último email a que o V teve acesso, indicava a ausência de salmonellas, levantando assim a ARS Norte a interdição de banhos, sem dados concretos sobre se existiram ou não casos de salmoneloses na praia do Faial.

(Notícia completa na edição impressa 87 do V, já nas bancas em Vila Verde, Braga e Amares)

Print Friendly

Comentários

Siga-nos!

RSS
Follow by Email
Facebook
YouTube

Última edição

Já nas bancas!

Publicidade