Augusto Faria
Destaque Vila Verde

Augusto Faria. “Sou seguidor de ideologias, não de pessoas”

“Nasci no café Angola, no centro de Vila Verde, no tempo em que era tudo em terra batida e poucos carros passavam por cá. Arrancava os botões das calças para ir jogar com eles para os bancos da praça e levava tareia quando chegava a casa”.

As palavras são de Augusto Faria, personalidade bem conhecida no concelho de Vila Verde, devido à intervenção, associativismo e, claro, à forma crítica como aborda aquilo que considera “erros crassos” que vê serem executados no concelho.

Mas isso já vem detrás, recorda um saudoso “Tuta”, lembrando os tempos em que mobilizou a cidade de Braga para a maior manifestação de rua daqueles tempos. “Reuni alguns amigos no café Cinelândia e fomos sabotar as escolas”, recorda. Motivos? Insatisfeito com o sistema. “Tuta” é assim. Um eterno insatisfeito.

Fundador do PS de Vila Verde, de três casas do Porto (Vila Verde, Braga e Amares), da ACDR SS Loureira, do Maximinense FC, do Fundo Social e Comissão de Trabalhadores da Câmara de Vila Verde, Augusto Faria fundou tudo aquilo em que podia ter “mão” para comandar, e não se saiu nada mal.

Em conversa com o V, Augusto Faria recordou um pouco do percurso de vida, salientando o dirigismo em várias instituições, como o Vilaverdense FC, onde também foi treinador de juniores, dos Bombeiros de Vila Verde, onde foi dirigente 27 anos, e de um clube de futebol em Moçambique, onde passou cinco anos na guerra colonial.

Aliás, os tempos de guerra marcaram Augusto Faria, que lamenta o pouco apoio que os ex-combatentes tiveram. “Ainda hoje tenho uma doença no fígado por causa da água que bebíamos”, conta, lamentando que “em tantos anos, só me deram 75 euros por lá ter combatido, e uma medalha por ter sido ferido em combate”.

Chegado de Angola, Augusto Faria passou a gerir uma padaria em Maximinos, onde seria para ficar “três meses”, mas acabou por passar lá anos até entrar para funcionário da Câmara de Vila Verde.

“Quando foi o 25 de abril, foi mais ou menos ao mesmo tempo que entrei para a câmara”, recorda. “Lá, para além de ter fundado o Sindicato da Administração Local, passeio pelas repartições do urbanismo, do ambiente, do arquivo, do pessoal e da fiscalidade”, salienta “Tuta”, que traz a alcunha quase do berço.

Já na década de 80, fundou o jornal “Notícias de Vila Verde”; que fazia “por carolice e amor à camisola”. “Era um grande projeto mas acabámos por acabar por falta de meios”, lamenta.

Mas, e já na reforma, Augusto Faria não cedeu ao comodismo, e lançou uma página que ainda hoje é motivo de conversa em vários pontos do concelho. “Fundei a página Vila Verde em Notícia para ser um complemento do jornal. Acho que em Vila Verde os jornais foram sempre inclinados para o lado do poder, e achei que era preciso uma voz interventiva de esquerda na sociedade”, aponta.

O grupo, que no facebook tem mais de 30.000 seguidores, é também caraterizado pelos posts polémicos e por algumas acusações, algo que Augusto Faria refuta para a liberdade de expressão.`

Mas, e do grupo, nasceu uma gala. “Os Melhores de Vila Verde” já vai na quinta edição, e segundo o criador, pretende dar voz ao povo. “Todas as galas que existiam, a do Desportivo Vale do Homem, a Namorar Portugal, todas elas são por nomeação direta de quem está por trás da organização, e não por voto popular”, aponta, destacando a “casa cheia” na edição deste ano da gala.

Com galas e notícias, Augusto Faria garante não se deixar intimidar, e vinca a preferência pela esquerda. “Nunca votaria num partido de direita. Sou uma pessoa de ideologias. Aliás, eu sou seguidor de crenças e ideologias, e não de pessoas”, finaliza “Tuta”, enquanto apela à juventude de Vila Verde que seja mais “interventiva, crítica e que não virem as costas à ideologia”.

Print Friendly

Comentários

Siga-nos!

RSS
Follow by Email
Facebook
YouTube

Última edição

Já nas bancas!

Publicidade