Andreia Santos2
Andreia Santos Opinião

Opinião de Andreia Santos. “Samhain”

Coincidência ou não, é hoje que tradicionalmente acaba o Verão. Estamos no Halloween, no Samhain ou Festival Celta do “Summer’s end”. Este é um tempo em que as separações entre o visível e o invisível são mais ténues, se fundem e dão lugar a uma nova estação. A noite de Todos os Santos, em que a tentativa é a de apaziguar os espíritos com luzes e lugares colocados na mesa para jantar enquanto convite à calma e ao descanso.

Neste reino de fim de Outubro pode entrar a obscuridade, o que está normalmente oculto, mas dirige como o que se vê tudo o que vivemos. Este é o dia em que vos escrevo outra vez. E o simbolismo pareceu-me interessante. Em nada diferente do que acontece no resto dos nossos dias, mas interessante. Só porque vos quero falar do que é ser de verdade, realmente grande, do tempo em que somos mesmo heróis.

Como é que se chega à melhor versão de nós próprios? Esta é a pergunta que deixo desse lado, antes de continuar. Façam uma pausa. São bons a imaginar? Então…Façam de conta que estamos num lugar, o vosso, frente a frente, a conversar. Convidas-me? Apareces? Que lugar me dás? E o que sentes quando me vês? O que estou eu a sentir? O que me dizes de ti? Em que é que tu leitor, és diferente do outro leitor com quem me vou encontrar? Com que memória vou ficar de ti?

Aquilo que eu sei dos encontros com as pessoas, seja onde for, em que ambiente for, é que precisamos todos do mesmo. Que continua a existir universalidade nas necessidades humanas e que não, não páramos felizmente de sentir, sendo cada um de nós único e um contributo especial aos dias uns dos outros. Para chegarmos ao melhor de nós, temos que ter a coragem de aparecer e expor o que somos plenamente. E isto implica que temos que enfrentar o mundo como seres imperfeitos, mas merecedores de aceitação e amor em todo o caso. Assumindo que o lado escuro existe, não fugindo dele.

A primeira medida da nossa coragem é a entrega da vulnerabilidade, como diria a Brené Brown. Assim, só quando nos vemos de verdade e começamos por entender que não há problema em despir a máscara ficamos capazes de dar aos outros o melhor de nós. É humano e natural. E coloca-nos no caminho da autossuperação. Porque de sensibilidade vivem as pessoas, custe-vos o que custar.

Voltando ao nosso encontro… posso pedir-te que apareças de verdade, na tua melhor versão? Assim são os meus heróis. Os que se entregam sabendo que é pelo que “sofrem” que têm muito para dar… E tenho muitos, deixem-me dizer-vos encantada. Tenho os que se ouvem e ouvem os outros. Os que compreendem e fazem a diferença por isso. Os que pertencem e se fazem imprescindíveis. (Esta é a linguagem do sucesso, sem modas). Desejo a todos um Halloween com as luzes, convido agora eu para a minha mesa os que entrarem sem máscara no espírito da nova estação que vos proponho. A melhor de nós. Coragem! Até já!

Print Friendly

Comentários

Andreia Santos

Andreia Santos

Psicóloga Clínica e da Saúde Formadora Profissional

Siga-nos!

RSS
Follow by Email
Facebook
YouTube

Última edição

Já nas bancas!

Publicidade

Publicidade