IMG_2723
Amares Destaque

Amares. Município alerta Águas do Norte para problemas com ETAR

O presidente do Município de Amares, Manuel Moreira, esteve reunido com a administração da Sociedade Águas do Norte e uma equipa técnica, para apresentar os principais problemas identificados ao nível do tratamento de águas residuais em Amares.

O momento contou com uma visita às ETAR de Bouro Santa Maria e Bico e serviu para estabelecer compromissos de resolução efetiva e célere das falhas detetadas nas estações de tratamento.

Recorde-se que, em 2015, o Município de Amares aderiu ao sistema multimunicipal de recolha de efluentes de águas residuais em alta à Sociedade Águas do Norte S.A., sendo que o tema estava na agenda política desde 2006.

O governo português através do decreto-lei nº 41/2010, de 29 de abril, criou um sistema multimunicipal de abastecimento de água e de saneamento, designado Águas do Noroeste, S.A., extinguindo as Águas do AVE, S.A.. Estabeleceu, assim, um contrato de concessão no qual atribuiu a esta, em regime de exclusivo, a concessão da exploração e da gestão do sistema multimunicipal de abastecimento de água e saneamento.

O Município de Amares ficou obrigado a integrar parte do capital social da Sociedade ficando abrangido, exclusivamente, no domínio do saneamento de águas residuais.

Desde que tomou posse, em 2013, Manuel Moreira foi alertado, diversas vezes, para o incumprimento face às leis ambientais, bem como para a obrigatoriedade legal de integração no sistema multimunicipal de abastecimento de água e saneamento, facto que foi ultrapassado em 2015 com a aprovação da adesão no órgão executivo e deliberativo.

Manuel Moreira refere que “não existia qualquer alternativa viável que pudesse propor ao governo, designadamente para efetuar uma gestão autónoma da rede em alta de saneamento, nomeadamente por carecer de meios económicos para reconstruir toda a rede de acordo com as regras de proteção do ambiente”.

O autarca espera agora, por parte da Sociedade Águas do Norte, “a melhor colaboração para que não se voltem a repetir episódios que ponham em causa a saúde pública e o ambiente.”

Print Friendly

Comentários

Siga-nos!

RSS
Follow by Email
Facebook
YouTube

Última edição

Já nas bancas!

Publicidade