Manuel Araújo / Lusa
Manuel Araújo / Lusa
Braga Cultura Destaque

Colecionismo. Moeda “única no mundo” resgatada pela PJ vai ser exposta em Braga

A Polícia Judiciária do Norte recuperou num leilão em Espanha uma moeda romana em prata do ano 68/69 d.C., considerada peça da antiguidade clássica “única no mundo”, e entregou-a hoje ao Museu Arqueológico D. Diogo de Sousa (Braga).

“É um denário [antiga moeda romana] de prata, do período das guerras civis, dos anos 68/69 [do tempo do imperador romano Galba], e portanto é uma peça única (…), emitida na Península Ibérica, na Hispânia”, avançou hoje à agência Lusa Rui Centeno, um especialista com um doutoramento sobre “O furto e o comércio de património numismático – O caso do tesouro de denários do monte da Nossa Senhora da Piedade, em Alijó”.

A moeda romana que apareceu num leilão em Madrid (Espanha), em outubro de 2016, com uma base de licitação de sete mil euros. Foi descoberta e reportada pelo historiador português Rui Centeno à Polícia Judiciária, que acionou os trâmites necessários para que se conseguisse transferir aquele espólio de Espanha para Portugal.

A apreensão das moedas romanas e a sua entrega hoje ao Estado português é o culminar de uma investigação da Judiciária, cujo inquérito foi aberto em 2016 no Departamento de Investigação e Ação Penal, explicou hoje à Lusa fonte daquela polícia.

O denário e o resto da coleção de moedas romanas tinham desaparecido do Santuário de Nossa Senhora da Piedade, no concelho de Alijó (Vila Real), e segundo a Polícia Judiciária, são património português. Foram furtadas em 1985 do santuário, depois de terem sido descobertas “dentro de um pote” durante umas escavações arqueológicas.

Moeda fica em exposição no Museu D. Diogo de Sousa

A instituição que vai acolher o denário e o resto das moedas romanas recuperadas é o Museu Arqueológico D. Diogo de Sousa, em Braga, disse à Lusa o diretor da Judiciária do Norte, Batista Romão, considerando que o trabalho da “pequena, mas especializada e muito dedicada” brigada da Polícia Judiciária é um bom exemplo de como a “Judiciária está atenta a este fenómeno do contrabando e dos furtos” do património português, “seja das moedas, seja na pintura, seja noutras áreas”.

“Desde que efetivamente tenha elementos para trabalhar, rapidamente se põe no terreno e consegue os bons resultados nesta área”, considerou Batista Romão, referindo que as moedas vão agora ser entregues ao Estado português, ficando na posse do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa, em Braga, um museu regional da zona Norte.

Em entrevista à Lusa, Isabel Silva, uma das responsáveis pelo Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa, avançou que o denário, tal como o resto da coleção recuperada, poderá ser vista pelo público ao longo deste ano de 2018.

“Acabam por reentrar no museu e ser fruídas pelo público tantos anos depois. Isto significa que, por um lado, há uma polícia que está atenta e empenhada nestes processos de recuperação de obras de arte e, por outro, vem realçar a importância das coleções serem inventariadas e estudadas”, observou Isabel Silva, considerando “extraordinário” que a brigada da Judiciária tenha conseguido recuperar cerca de 20 anos depois as moedas romanas desaparecidas de Alijó.

 

Print Friendly

Comentários

Siga-nos!

RSS
Follow by Email
Facebook
YouTube

Última edição

Já nas bancas!

Publicidade